Dicas 06/03/2019

Mês da Mulher: empoderamento, sororidade e empatia

Neste mês de março o post é todo voltado para o empoderamento feminino, empatia e sororidade.
Afinal de contas, o Dia Internacional da Mulher não é uma data comemorativa, mas sim um momento de reflexão e luta.

Precisamos nos manter informados, atentos e fortes (não só as mulheres, mas os homens também!) para conseguirmos alcançar, mesmo que em pequenos atos, um mundo mais justo e igualitário.
#VAMOSJUNTOS?

SORORIDADE

É a união entre mulheres, uma irmandade, baseada na empatia e no companheirismo, buscando apoiar umas às outras e alcançar objetivos em comum. Sororidade é uma rede de apoio. É acolher outras mulheres, não julgá-las (a sociedade machista já faz isso todos os dias), é fingir que conhece outra mulher para ajudá-la a sair de uma situação ruim na rua, é se oferecer para caminhar juntas em uma rua vazia, enfim... É saber que todas as mulheres precisam se apoiar para conseguir alcançar os seus direitos!

EMPODERAMENTO FEMININO

É uma consciência coletiva para fortalecer as mulheres e conseguir desenvolver a equidade de gêneros. Empoderar-se é tomar poder sobre si. As pessoas oprimidas que recebem menos atenção na nossa sociedade muitas vezes não têm consciência de seu próprio poder, e as mulheres estão incluídas neste grupo. É daí que surge o empoderamento. As mulheres precisam reconhecer que elas são capazes, para começarem a fazer e exigir mudanças.

CULTURA DO ESTUPRO:

O termo “cultura do estupro” tem sido utilizado desde 1970, para apontar comportamentos sutis ou explícitos que silenciam ou relativizam a violência sexual contra a mulher. (Quer um exemplo prático? Achar que a mulher merece ser desrespeitada por estar usando uma saia curta, ou mesmo quando pessoas incentivam que um homem mostre toda sua virilidade numa micareta, beijando as meninas a força.)
A palavra “cultura” no termo “cultura do estupro” reforça a ideia de que esses comportamentos não podem ser interpretados como normais ou naturais. Se é cultural é algo que nós criamos. Se nós criamos, nós podemos mudá-los!

 

GASLIGHTING

É uma forma de abuso psicológico onde informações são omitidas, distorcidas ou inventadas de forma que a vítima duvide dos seus sentimentos e percepções. Sabe aquela cena clássica em que o marido, mesmo tendo sua traição descoberta, diz à esposa que ela está inventando / vendo coisas onde não tem? Esse é apenas um dos muitos exemplos de gaslighting que existem por aí. Isso também é abuso e precisa parar!

MACHISMO

É um conjunto de pensamentos, atitudes e costumes que colocam os homens em uma posição de superioridade em relação a mulher. O comportamento machista justifica e promove comportamentos não só discriminatórios, mas também violentos e criminosos. Ele está presente no nosso dia a dia em todas as formas, seja através de piadinhas (que colocam a mulher como inferior), seja no mercado de trabalho (com a diferença salarial, assédio no ambiente de trabalho, etc) ou até mesmo de forma sutil (quando uma mulher tenta falar algo ou expressar uma ideia e não é levada a sério). Em sua face mais cruel, o machismo
mata mulheres todos os dias (aqui no Brasil os dados são de que a cada dia, cerca de 13 mulheres são assassinadas por motivos relacionados ao machismo).

MANSPLAINING

O termo mansplaining vem da língua inglesa e é composto pelas palavras “man” e “explain”, que significam “homem” e “explicar”, respectivamente. Significa “comentar ou explicar algo a uma mulher de maneira condescendente, excessivamente confiante e, muitas vezes, imprecisa ou simplista”. Explicando de forma prática: sabe quando uma mulher está numa roda de conversa e um homem fica tentando explicar alguma coisa que ela já sabe, normalmente com um tom de voz de superioridade, como se ela não tivesse capacidade suficiente para entender? É isso!

Agora que você já sabe o que estes termos significam, empodere uma mulher! ;-) Passar informação pra frente pode ajudar aquela amiga que tem passado por dificuldades, sabia? 

 

Leia também